O estigma do Linux

Algumas semanas atrás eu me deparei com este artigo no Slashdot (original aqui) que analisava os esforços do Google em não mencionar o nome ‘Linux’ em seus Chromebooks.

De acordo com o artigo a não menção do nome ‘Linux’ se deve a possibilidade de assustar potenciais compradores da plataforma.

Existe uma verdade nesta frase. Como um usuário de sistemas baseados em Linux eu já ouvi muitas coisas como: “É muito difícil de usar!”, “Para usar, você tem que aprender a compilar programas!”, “Não funciona em todos os hardwares!”, “Ah, é Linux, tô fora!”

Antes de explicar meu ponto de vista, vou dizer o que o Linux realmente é: o núcleo do sistema operacional e não todo ele. Para termos um sistema operacional completo são necessários vários outros softwares.

Colocando juntos os sistemas operacionais que utilizam o kernel do Linux temos vários nomes como: ChromeOS, Android, Ubuntu, Fedora, FirefoxOS, Tizen, GentooBuildroot, Mandriva, Slackware e etc (a lista completa é muito extensa!).

É nesta grande quantidade de nomes onde certas pessoas “entram em pânico”. Cada um destes SOs foram desenvolvidos para diferentes dispositivos, segmentos de mercado e pessoas. Em sistemas Linux voltados para pessoas comuns como o ChromeOS, o Android e o Ubuntu as dificuldades referidas nas citações acima não existem. Eles normalmente já vem pré-instalados, configurados e funcionando de fábrica, ou seja, é só comprar e usar.

Outras opções como Slackware, Buildroot e Gentoo não foram feitas para usuários comuns que querem somente ver seus e-mails e acessar redes sociais mas para as pessoas ignorantes, todos esses nomes significam a mesma coisa: Linux e estas pessoas não sabem (ou não querem) diferenciar uma coisa da outra. É muito mais comodo para certas pessoas entrar em pânico, literalmente, quando ouvem a palavra “Linux” do que entender a verdade.

Então para grandes empresas como o Google que lançam seus produtos baseados em Linux é mais fácil esconder o nome ao invés de tentar acabar com o estigma. Tente explicar como estas coisas funcionam para certas pessoas, eu já tentei, não adianta.

Aquela frase do “Ah, é Linux, tô fora!” foi falada  por uma pessoa segurando um telefone com Android, a minha resposta foi: “E esse celular, você vai jogar fora?”.

0 comments ↓

There are no comments yet...Kick things off by filling out the form below.

Leave a Comment