As dez profissões mais felizes

Esta saiu na revista Forbes americana. Esta pesquisa indica o que realmente faz as pessoas felizes.

É fácil notar que as profissões mais felizes são aquelas que tem relação com ajudar as pessoas e não necessariamente as mais bem pagas. Fora isso a autonomia conta muito.

Por outro lado  as mais infelizes são geralmente bem pagas, logo a dificuldade está no aspecto psicológico da profissão. Se compararmos com as mais felizes, o profissional não tem a sensação de ter ajudado alguém, o que é um fator que torna a profissão infeliz. Fazer pessoas ricas ainda mais ricas também não é muito recompensador, cargos de diretoria, por exemplo, tem basicamente este objetivo: você normalmente trabalha para os grandes acionistas que tem grandes somas de dinheiro investidas na empresa. Outros problemas são lidar com pessoas complicadas, a burocracia e a falta de autonomia.

10 Profissões mais felizes:

1 – Clérigo: O original não explica mas a felicidade vem do fato do profissional trabalhar para a felicidade alheia e dos estudos sobre mente humana.

2 – Bombeiros: Oitenta porcento estão muito felizes com a profissão que também envolve ajudar os outros.

3 – Fisioterapeutas: A interação social e o fato de ajudar os outros faz desse trabalho um dos mais felizes.

4 – Autores: Para a maior parte dos autores os ganhos são baixos ou não existentes, mas a autonomia de escrever o que quiser leva a felicidade.

5 – Professores de educação especial: Se você não liga para dinheiro, um trabalho na educação especial pode ser uma profissão feliz (como sempre, a chave é ajudar os outros). Os ganhos anuais nos Estados Unidos são abaixo de US$50.000,00.

6 – Professores: Os professores em geral se dizem felizes em seus trabalhos apesar dos problemas de orçamento (e olha que esta pesquisa foi feita nos EUA!) e das condições das salas de aula. A profissão continua a atrair jovens idealistas apesar de cinquenta porcento dos professores deixam a profissão em cinco anos (não sei bem se esta realidade se aplica no Brasil).

7 – Artistas: Escultores e pintores relatam alta satisfação no serviço apesar da grande dificuldade em se ganhar dinheiro com isso.

8 – Psicólogos: Psicólogos podem ou não resolver os problemas dos outros, mas parece que são capazes de resolver seus próprios.

9 – Agentes de vendas de serviços financeiros: Sessenta porcento dos vendedores de serviços financeiros se dizem felizes com seus trabalhos. Isso pode acontecer porque seus ganhos são de US$90.000,00 nos EUA por ano numa média de 40 horas semanais. No Brasil pode ser até melhor, com essa taxa de juros gigantesca a lucratividade dos bancos melhora ficando mais fácil conseguir um aumento.

10 – Operadores de Máquina: Lidar com escavadeiras, pás-carregadeiras, retroescavadeiras, motoniveladoras, pás, torres de perfuração, bombas e compressores de ar pode ser divertido. Com mais trabalhos do que pessoal qualificado (pelo menos nos EUA), os operadores de máquinas reportam ser felizes.

10 Profissões mais infelizes:

1 – Diretor de TI: Diretores de TI tem quase a mesma influência em algumas empresas que o CEO, mas eles relatam o mais baixo nível de satisfação com seus empregos. Porquê? Nepotismo, clientelismo, e desrespeito para com os trabalhadores.

2 – Diretor de Vendas e Marketing: Tem o segundo mais baixo nível de satisfação. A falta de direção dos níveis superiores e a falta de espaço para crescimento profissional.

3 – Gerente de Produto: Se queixam de crescimento restrito da carreira, e do trabalho chato mesmo neste nível.

4 – Desenvolvedor Web Senior: Relatam um baixo nível de satisfação porque os empregadores são incapazes de comunicar de maneira coerente, e da falta de entendimento da tecnologia.

5 – Técnico especialista: Apesar de todo o seu expetise em sua área, são tratados com desrespeito. Suas opiniões não são levadas a sério pelos seus superiores.

6 – Técnico eletrônico:  Se queixam de ter pouco controle sobre o horário de trabalho, falta de reconhecimento, sem oportunidade real de crescimento, sem motivação para trabalhar, sem opinar como as coisas deveriam ser feitas e hostilidade mutua entre colegas.

7 – Escrivão:  Está entre as mais cobiçadas profissões na área (nos EUA) e incrementa o currículo. Mesmo assim a profissão tem baixos níveis de satisfação. As horas de trabalho são longas e cansativas e o escrivão está sujeito aos caprichos de personalidades voláteis.

8. Analista de Suporte Técnico:  Ajuda pessoas com seus problemas de computador. Isto comumente significa acessorar calmamente pessoas em pânico, frequentemente no telefone, somente para descobrir que o cliente não ligou a impressora. Pode ser requisitada uma uma viagem sem aviso prévio, algumas vezes em feriados e fins-de-semana.

9 – Operador de CNC: Operam máquinas como Centros de Usinagem, Fresas e Tornos operados por computador.  Agora que o operador teve quase todos os riscos físicos eliminados pela máquina, não há muito a fazer a não ser pressionar botões e fazer a manutenção. Já que é uma profissão especializada, não oferece espaço para crescimento.

10- Gerente de Marketing: A falta de direção é citada como a razão da falta de satisfação.

2 comments ↓

#1 Patricia on 12.24.11 at 18:00

Esqueceram de colocar a minha ex-profissão de tripulante de navio como uma das mais infelizes: enjôo no mar, trabalho sem folga,muitas horas em pé ou sentado e agüentando gente chata.

#2 Marcos on 12.24.11 at 18:15

É, essa também é dureza. Mas não deve ter sido pouco remunerada, como está escrito as mais infelizes são geralmente as mais remuneradas.

Leave a Comment